GineHistória

O Cantinho da História

a educação romana 13 de Maio de 2009

Filed under: Uncategorized — filipa92 @ 20:13

 

     Em Roma ir à escola era uma coisa comum e de ambos os sexos. Dos 7 aos 11 anos, rapazes e raparigas aprendiam as primeiras letras, escrita e leitura com o litterator e cálculo com o calculattor. Além disso, os alunos decoravam os trechos poéticos.

     O dia escolar romano começava muito cedo, decorria praticamente sem interrupções e a disciplina era muito rígida.  Dos 11 aos 17 anos, só alguns rapazes e raparigas passavam para o nível secundário, isto porque este era um ensino mais dispendioso, e só frequentavam este ensino quem tinha mais posses.

     O mestre do ensino secundário era o gramático. Neste nível de ensino aperfeiçoavam-se conhecimentos da língua e estudavam-se obras literárias como: a poesia de Virgílio, a retórica de Cícero e a História de Salústio e Tito Lívio. Além disso, faziam parte do currículo também disciplinas como; matemática, geometria, música e astronomia.

     Por fim, aos 17anos, só alguns rapazes ingressavam no ensino superior, em que o mestre era o rethor. Só ingressavam rapazes porque no ensino superior a aprendizagem era à base de retórica e direito, destinados ao desempenho de altos cargos políticos e administrativos, em que só os homens podiam participar.

     O Estado de Roma, sempre incentivou ao ensino pois viu nele um poderoso meio de unificação cultural do Império. Devido a isso, o Estado: insistiu com as autoridades municipais para que criassem escolas e suportassem os seus custos; concedeu aos seus professores a protecção e privilégios de ordem fiscal, isentando os impostos e custeou a actividade de alguns gramáticos e, sobretudo, de retóricos, a fim de tornar gratuito o seu ensino.

 

 

 

Realizado por:

Jessica Fraústo

Joana Marecos

Mariana Marcelino

Rita Coelho